Dinheiro

Contando pessoas | O economista iluminado

51EVnYwpepL
cupom com desconto - o melhor site de cupom de desconto cupomcomdesconto.com.br


Fiquei muito satisfeito ao receber no post uma cópia do livro de Andrew Whitby, The Sum of the People: How the Census Shaped Nations, que li em uma cópia de prova e escrevi uma das matérias da contracapa. Talvez eu esteja particularmente interessado em estatística e na história da estatística, mas este livro é genuinamente um virador de páginas da primeira página do Prefácio em diante.

É um relato amplamente cronológico da história dos censos desde o início da história registrada (região do rio Amarelo na China, antiga Mesopotâmia) até os dias atuais. Ela integra a história das tecnologias para contar pessoas, incluindo, por exemplo, a história da versão de 900 anos da BBC, de 900 anos, do Domesday Book – em um disco a laser de alumínio. Como o livro aponta, o pergaminho do original teve maior longevidade e foi digitalizado. E, é claro, as tendências demográficas também aparecem, por exemplo, no debate da “bomba-relógio da população” do final dos anos 60 e 70.

Obviamente, o aspecto mais interessante é o motivo pelo qual o cenus é importante, que é sua relação com poder e dinheiro. Eles são sempre políticos ou politizados. Uma ilustração vívida é o ataque aliado ao registro da população holandesa no início de 1944, que matou cerca de 60 civis que trabalhavam lá, mas destruiu um em cada quatro dos registros. Tarde demais para judeus holandeses, dos quais 73% já haviam sido assassinados, mas muito úteis para a resistência holandesa à medida que a guerra se aproximava do fim.

O livro termina observando que os censos atuais em 2020 – EUA, Reino Unido, China e outros lugares – estão entre os últimos do tipo tradicional, onde os enumeradores tentam obter uma resposta de todos. O uso de registros administrativos provavelmente assumirá o controle no futuro. O custo é um dos principais motivos, assim como a evidência de uma contagem sistemática em alguns países. Mas devo dizer que a idéia de depender de grandes dados armazenados em registros populacionais centralizados me deixa um pouco desconfortável: essa é a maneira ideal de capturar a relação entre indivíduo e estado? Como o livro coloca, “em uma época em que tanta coleta de informações é secreta e passiva, o censo é o oposto: exige nossa atenção ativa”. Outro humano tocará a campainha. É uma pena que isso certamente passe para a história.

Leia Também  Links semanais do IPA - Chris Blattman
cupom com desconto - o melhor site de cupom de desconto cupomcomdesconto.com.br

51EVnYwpepL

Esta entrada foi publicada na Página Principal e marcada com a revisão de Diane Coyle. Marcar como favorito o link permanente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *